quinta-feira, 19 de maio de 2016

Era importante dizer-me o que sinto por fora… era…agora sei também quilo que sinto por dentro como algo não divisível algo que faz parte de mim algo que fui conquistando aos poucos algo que me diz o pormenor de viver particulares momentos só meus. Era importante dizer-me o que sinto por fora porque tinha medo daquilo que sentia por dentro eram caminhos há muito impedidos há muito bloqueados eram caminhos intransitados obstruídos cheios de tensão repletos de medos de frustrações de confusões de dores de tremores. Ainda o caminho não está todo limpo conforme tanto desejava há tanto tempo mas não sabia que o poderia fazer…devagarinho como uma carroça conduzida por alguém muito cansado e muito pesada. Assim como devagar a tensão se instala assim como devagar a devo de remover. Não existem milagres nem curas milagrosas nem tão pouco recuperações eternas mas sim viver um dia como a última noite em que sonhei a minha liberdade a livre imagem da minha criação da minha criatividade que a sociedade teima em abafar fora de mim. Porque dentro reside aquilo que sinto e se estou fora não sinto vivo somente a vontade de ser mais uma entre milhões mais uma entre alucinações que não me deixam sonhar.



Sem comentários:

Enviar um comentário